Índices de criminalidade apresentam queda expressiva em Mato Grosso do Sul

Dos 280 homicídios registrados em Mato Grosso do Sul este ano, 164 já foram elucidados e os autores presos ou indiciados

SEJUSP / IMAGENS: DIVULGAÇÃO


Foto Divulgação

Os índices de criminalidade apresentaram quedas expressivas em todo o estado, no período de janeiro a agosto deste ano, em comparação com o mesmo período de 2020. As maiores quedas foram registradas nos crimes contra o patrimônio.

Na estatística da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública que engloba todos os municípios de Mato Grosso do Sul, o total de roubos caíram de 3.472 em 2020, para 3.043 este ano, redução de -12,4%.

 

Também apresentaram reduções em nível de estado os roubos seguidos de morte (-18,2%), os roubos em vias urbanas (-14%), os roubos aos comércios (-12,2%) e os furtos de veículos (-11,9%).

 

Dos 280 homicídios registrados em Mato Grosso do Sul este ano, 164 já foram elucidados e os autores presos ou indiciados. A taxa de esclarecimentos do estado, até o mês de agosto é de 58,6%, uma das maiores do Brasil, que tem média nacional de 20%.

 

Em Campo Grande, houve redução em 8 dos 12 índices criminais monitorados pela Sejusp. As maiores reduções foram nos casos de feminicídios (-87,5%), com 8 casos no ano passado e 1 neste ano e nos roubos seguidos de morte (-60%), com 5 registros em 2020 e apenas 2 no mesmo período de 2021.

 

Na capital houve queda também nos furtos de veículos (-15,3%), nos homicídios dolosos (-15,2%), roubos em vias urbanas (-13,4%), no total de roubos (-13%), roubos a comércios (-10,5%) e nos homicídios culposos no trânsito (-2,4%).

 

Fruto dos investimentos

Para o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, os números refletem os investimentos maciços em segurança pública, feitos pelo Governo do Estado, tanto em estruturação como em capacitação e valorização dos policiais.

 

“Mato Grosso do Sul tem hoje um dos maiores índices de esclarecimentos de homicídios do país, é também o estado que mais apreende drogas no país e ainda assim apresenta números que são referência nacional, reflexo dos investimentos maciços feitos pelo Governo do Estado”, destaca.

 

“Essa redução expressiva observada nos números da criminalidade, certamente é resultado da capacidade, empenho e dedicação incessante dos nossos Policiais Civis no desempenho de suas funções de Polícia Judiciária, da inegável qualidade da estrutura operacional colocada à disposição de nossos servidores, da capacitação e aprimoramento de alto nível, disponibilizados aos nossos profissionais, através dos vários e relevantes investimentos no setor”, afirma do Delegado-Geral da Polícia Civil, Adriano Garcia Geraldo.

 

Para o Comandante-Geral da Polícia Militar, coronel Marcos Paulo Gimenez, a redução na criminalidade violenta em Campo Grande está diretamente ligada aos investimentos, em pessoal e infraestrutura, que propiciaram um aumento expressivo do policiamento nas ruas da capital, com a implantação do Programa de Obtenção de Capacidade Operacional Plena, o OCOP.

 

“Com o OCOP nós tivemos uma diminuição de 31% no número de chamadas não atendidas pelo 190, conseguimos atender com êxito 64% de todas as chamadas que chegaram ao telefone de emergência da Polícia Militar, tivemos um empenho 30% maior de viaturas e uma queda de 70% das ocorrências fechadas por falta de viatura para atendimento”, relata o Comandante-Geral da PM.

O OCOP da Polícia Militar recebeu investimentos de mais de R$ 9,6 milhões do Governo do Estado, que entregou para Campo Grande, no mês de julho, 48 novas viaturas semi blindadas, que são rastreadas por GPS, para atender com maior agilidade a população de 37 setores da cidade.

 



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE