30 dias após tragédia, músicos de Marília Mendonça buscam recomeço

REDAÇÃO


Foto Divulgação

O acidente aéreo que matou a cantora Marília Mendonça e outras quatro pessoas completou um mês e os músicos que acompanhavam a cantora em turnês buscam por um recomeço.

O baixista Luís Vagner da Silva Santos, 44 anos, é um dos integrantes do grupo que, depois do trauma da morte precoce da sertaneja, busca novos caminhos.

De acordo com o site Metrópoles, o instrumentista, que trabalhava com a artista havia seis anos, foi um dos chamados a participar da banda da dupla do irmão de Marília, Dom Vittor e Gustavo.

Ele disse que a perda o fez pensar em desistir da carreira, mas, com o convite, não pensou duas vezes em aceitar o desafio.

“Eu estava em casa quando recebi a proposta do diretor musical deles [Dom Vittor e Gustavo]. Não pensei duas vezes. Além de estar junto novamente com alguns amigos que já eram da Marília, sei que ela ficaria muito feliz com isso”, disse o baixista.

“Quando tudo aconteceu, fiquei muito abalado. Porém, os dias foram passando e coloquei minha cabeça no lugar. A música é minha vida, e vou continuar com ela”, completou Luís.

“Não caiu a ficha”

Marília Mendonça era o tipo que não cultivava hierarquias em sua equipe. Fazia questão de estar na companhia dos músicos e de participar das confraternizações.

“Em alguns momentos, ainda parece que não caiu a ficha. Às vezes, penso que estou flutuando, como em um sonho. Em outras, bate uma saudade tão grande que chega a doer na alma. Vivi com a Marília por seis anos. Nesse tempo, fiquei mais com ela na estrada, do que com minha esposa em casa. Com isso, ela se tornou parte da minha família. Quando a gente perde um ente querido, dói muito. Sempre relembro as histórias. Na verdade, todos nós relembramos. Estão todos sentindo muita saudade”, afirma Luís.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE