Governador anuncia decreto de situação de emergência nas 79 cidades em função da seca e estiagem

JORNAL DA NOVA


Ogovernador Reinaldo Azambuja anunciou nesta segunda-feira (3) que vai decretar situação de emergência nas 79 cidades do Estado, em função da seca e estiagem. O documento será publicado nesta terça-feira (4), no Diário Oficial do Estado. A decisão visa ajudar o setor produtivo, que já começa a ter prejuízos em função do volume pequeno de chuvas no Estado.

 

O anúncio foi feito em entrevista coletiva, após reunião com a Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Aprosoja (Associação Brasileira dos Produtores de Soja), Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e Defesa Civil.

 

“Desde o mês de dezembro, estamos monitorando a questão da estiagem e seca prolongada em Mato Grosso do Sul. Estamos com volume de chuvas muito pequenas, que trazem grandes problemas em todo Estado, por isso decretamos a partir de amanhã a situação de emergência nos 79 municípios”, afirmou o governador.

 

O governador destacou que o decreto atende o pleito do setor produtivo. “Na prática o produtor poderá acionar o seguro, conseguir com as instituições financeira a possibilidade de ampliar o pagamento de suas dívidas e abre a oportunidade de renegociações. O decreto também permite que o poder público municipal, estadual e federal possa auxiliar neste momento”, descreveu.

 

Ainda revelou que haverá uma reunião nesta tarde (3) com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, com a participação de secretários de Agricultura do Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, para discutir o tema. “O governador do Paraná (Ratinho Júnior) também decretou situação de emergência em todas as cidades, em função da estiagem. Aqui temos a situação mais crítica na região do Conesul. Estamos sentindo os efeitos do fenômeno La Ninã”.

 

Efeitos na produção

 

Para o presidente da Famasul, Marcelo Bertoni, o decreto vai beneficiar não apenas os produtores de grãos do Estado, mas também os pecuaristas. Esta ação do governo e monitoramento da situação vai trazer tranquilidade aos produtores para fazer a conversa com seus credores. Estamos fazendo o levantamento do impacto, mas acreditamos que estiagem já aumentou em 20% o custo da produção”.

 



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE