Mulher denuncia ter sido estuprada por policiais em rodovia

CAMPOGRANDENEWS


Foto Divulgação

Uma mulher de 27 anos procurou a DAM (Delegacia de Atendimento a Mulher) após ser vítima de estupro na noite de domingo (5). Ela teve a casa invadida por uma guarnição da PM (Polícia Militar) e levada até a rodovia estadual MS-270. O caso aconteceu no distrito de Itahum, em Dourados, a 251 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o boletim de ocorrência ao qual o Campo Grande News teve acesso, a vítima estava comemorando o aniversário do filho em um bar, acompanhada de familiares e amigos. Um deles pediu dinheiro emprestado para pagar a conta, o que resultou em discussão.

A mulher explicou no documento que, ao chegar em casa, o marido percebeu que havia pegado o aparelho celular errado e decidiu voltar ao estabelecimento para desfazer a troca. Foi neste momento que uma guarnição se aproximou da residência dizendo que havia uma denúncia em desfavor da vítima.

Sem consentimento da mulher, os policiais militares vasculharam o imóvel alegando que a mesma seria presa em flagrante. Quando ela perguntava o motivo, era silenciada com uso de palavrões. Diante do constrangimento, a vítima disse que foi levada até o camburão vestindo apenas roupas íntimas, sem portar os documentos pessoais.

Já no trajeto até a delegacia do município, um dos policiais retirou a mulher do veículo, a segurou pelo braço e abaixou sua calcinha na tentativa de uma penetração em meio acostamento da rodovia. A vítima disse no boletim de ocorrência que um dos amigos que estava no bar a identificou minutos depois da tentativa de estupro e questionou a parada da viatura, onde foi informado pelo agente policial que a mulher estava resistindo a prisão.

Com a presença dos amigos, os policiais levaram a vítima de volta até a sua residência, onde a mesma chegou a fazer uma ligação para a mãe relatando o ocorrido. O caso foi registrado no dia seguinte como crime de estupro, na DAM (Delegacia de Atendimento a Mulher) de Dourados, onde segue em investigação.

Outro lado - Procurada pela reportagem, a PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul) disse que não foi comunicada do fato. 'Até o momento não fomos procurados por nenhuma instituição ou pessoa. Caso haja o comunicado será devidamente apurado mediante Inquérito Policial Militar e encaminhado ao MPE (Ministério Público Estadual)'.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE